22/07/2015

Condragulations!

"Drag é coragem, é questionar os dogmas da sociedade, é liberdade pra ser o que você quiser." - Lívia Salvador
 
Vocês gostam de drag queens? E o que acham das transformistas? Particularmente, eu sou apaixonada por cada história, estilo de vida, pelos diferentes estilos e pela forma que cada artista se expressa. 
Nasci em uma família conservadora mas que me ensinou a respeitar e amar. O fato de eu ter nascido numa família de métodos antigos de criação, não me impossibilitaram de seguir meus sonhos e minhas vontades. Desde criança, sou apaixonada por moda e, principalmente, por maquiagem. Cresci sempre ganhando paletas de sombra, rímel, blush e batons. Confesso ter dado um pouco de trabalho quando pequena, porque eu queria ir ao colégio com boca vermelha e lápis preto no olho. Até que entrei para o mundo do glamour e glitter.
Agradeço diariamente pela oportunidade que a vida me deu em conhecer as minhas tão queridas "ladyboys". Lembro-me bem da primeira, a Luma. Toda desajeitada, mal conseguia se segurar no salto alto -que, por sinal, era enorme-, uma peruca loira mal penteada, sombra azul misturada com glitter e ria descontrolavelmente de qualquer coisa que fosse ali falada. Desde Luma, procuro detalhes, faço maquiagens e talvez tenha sido um ponto muito grande na minha decisão da faculdade (Jornalismo).

"Para mim, elas representam alegria, porque é isso que elas transmitem. Muita, muita, muita alegria, muita coragem e força de vontade." - Simone Fortuna
 
Tive o imenso prazer de entrevistar três drag queens brasileiras, que amo de forma devota: Amy Candy (São Paulo), Devana Talbot (São Paulo) e minha querida Envy (Recife). Confira abaixo:


Devana Talbot (esquerda) e Amy Candy (direita) - Canal 2DRAG no Youtube

- Complete: o melhor e o pior de ser drag é...
Devana: O melhor é o prazer de conseguir expressar sua arte. O pior é não enxergar com a lente (risos).
Amy: O melhor é poder entreter qualquer pessoa e expressar minha arte. Pior: Não ter um retorno financeiro e reconhecimento devido.

- Vocês se sentiram completas na primeira vez que viram Devana Talbot e Amy Candy?
Devana: Não. Na verdade eu vi que precisava melhorar muito (risos). E quando vi a Devana e a Amy no vídeo, eu amei! Falei "Bicha, a a gente tá linda." (risos).
Amy: Me achei um demônio na primeira vez que me vi. Em relação ao 2DRAG e a ver nós duas juntas, AMEI. Somos amigos de longa data e o resultado final mostra como somos juntos.

- Aos poucos estamos vendo transexuais e drag queens alcançando lugares na mídia (comerciais, filmes, novelas, etc), como se sentem?
Devana: Demorou né? Aliás, ainda tem um longo caminho a seguir.
Amy: Embora eu acredite que seja de extremo mal gosto cobrar um autor, etc., que ele coloque personagens LGBT ou mais mulheres ou mais negros em suas obras, porque aí você está interferindo em um processo criativo. Mas acho extremamente importante termos isso mais e mais exposto pra mostrar pra sociedade que é "normal" ser LGBT. Que amamos da mesma forma, sofremos da mesma forma.

- Qual foi a melhor coisa que vocês já escutaram até hoje? Algo que vocês pensaram "poxa! Realmente vale a pena."?
Devana: Um menino na Blue Space (boate em São Paulo) gritava e tremia ao me ver, quase chorou, eu só ria e pedia pra ele ficar calmo. Fiquei muito feliz em saber que alguém gosta tanto assim de mim, fico emocionada.
Amy: Vez ou outra aparecem pessoas depois de um show ou depois que sai um episódio do 2DRAG e a pessoa agradece e fala que o dia ou a semana dela vai ser melhor por minha (nossa) causa. É esse o espírito!

"Apesar de fazer parte da comunidade LGBT, eu tinha muito preconceito com transexuais, drag queens e travestis, por pura ignorância e por achar eles iguais. Quando comecei a ter mais contato e a estudar por vontade própria sobre a cultura drag, minha vida mudou completamente. Me tornei uma pessoa muito melhor, passei a me cuidar e me amar cada vez mais! E ainda espero poder realizar o sonho de ser faux-queen." - Vitória Aparecida

Envy (Recife) / Contato: https://www.facebook.com/envyhoax

- O que sua drag representa para você?
Envy: Envy sempre foi parte de mim, acredito que ela seja a maximização da minha personalidade, todas as minhas características e sentimentos expandidos ao máximo. Ela representa uma libertação, sinto que através da minha arte eu tenho um impulso para transmitir todas as mensagens que eu gostaria para as pessoas. Quando recebo a resposta do público elogiando meu trabalho, falando da energia boa que sentem ao me ver, o carinho que essas pessoas me proporcionam é imensurável. Envy tem sido uma experiência de sentimentos e crescimento muito boa, e meu propósito com ela é expandir essa experiência para todos ao meu redor.

- Como você entrou no mundo drag?
Envy: Desde pequeno sempre gostei de usar as maquiagens da minha irmã, não com o intuito de ficar feminina ou de querer ser igual a minha irmã, mas pela transformação do rosto, ver meu rosto tomando uma forma diferente, aquela brincadeira com produtos e cores me fascinava. A primeira vez que me montei, eu não estava com o intuito de fazer drag, era apenas o trabalho de uma disciplina da faculdade, onde eu sempre muito palhaça e queria fazer uma paródia de Fátima Bernardes para o programa de comédia que eu estava criando, o "Desencontro". Eu não sabia nada sobre maquiagens e sobre a cultura drag, mas aquele foi o meu primeiro passo para "dar a cara a tapa" pela arte. Algum tempo depois conheci Rupaul's Drag Race através do meu namorado e comecei a saber um pouco mais sobre drags, toda a criatividade, a criação, a transformação e aquilo foi um empurrão para eu começar a me montar. Tomei coragem e depois de ver vários tutoriais no youtube e pegar roupas emprestadas fui para a minha primeira festa montada. Foi uma experiência maravilhosa, a maquiagem não era lá essas coisas (risos), mas eu me diverti tanto e me deu tanto prazer em construir todo aquele personagem que eu não queria mais parar. Mais tarde fui convidada a tocar pela primeira vez em uma festa e ao ver uma pista lotada dançando ao som do meu set, todo mundo se divertindo muito, sentindo toda a energia que eu queria passar através da músicas eu me apaixonei ainda mais por ser Envy. Hoje depois de um ano e sete meses oficialmente como Envy, eu não me vejo mais sem essa maximização de mim.

"Acho todas lindas. Elas são como elas querem ser e eu acho que esse é o ponto principal e mais importante. Eu sou apaixonada por Sweet Transvestite." - Pan'Da (França)

          Fiz esse post com o intuito de mostrar a todos a felicidade que sinto em ver a comunidade LGBT ganhando cada vez mais espaço nas emissores brasileiras e mundiais, mesmo não fazendo parte dela. É importante respeitarmos, acima de tudo, a escolha dos outros. Ame para ser amado e respeite para ser respeitado. 
             
           Aproveitando, em Agosto de 2015, a Multishow estará exibindo RuPaul's Drag Race, que é um belíssimo reality de drag queens (citado acima pela Envy). Lá vocês vêem muito veneno, amor, talento e arte. 


Shantay, you all stay.

Foi muito bom poder compartilhar com vocês essa minha paixão e espero que tenham gostado. 
Mega ultra power beijos e abraços,

Thais Oliveira.

0 comentários:

Postar um comentário